CENTRAL DE ATENDIMENTO
Conheça as unidades

1368

Antônio Telésforo

Foto do Antônio Telésforo que contou sua Historia de Superação

A Descoberta
Com um estranho aparecimento de um caroço na área da garganta procurei uma clínica, mas após exames nenhuma conclusão pior foi diagnosticada. Entretanto, uma tomografia detalhada, no ângulo pedido, denunciou uma forte suspeita de algo mais sério no pulmão direito, o que gerou uma correria, afinal, eu fui fumante por mais de 45 anos – fato que me “estrumbicou” a vida, agora vejo. De uma pneumologista, Dra. Simone Miranda, fui para um cirurgião torácico, Dr. Anderson Nassar, para avaliar e posteriormente para uma urgente cirurgia, já que dois nódulos requeriam cirurgia e rápido!

Nestas idas e vindas, fui encaminhado para o Dr. Mauro Zukin, na COI, que passou a centrar as ações e estratégias iniciadas por uma bateria de exames nos quais um milagroso PET Scan revelou que, além de dois nódulos no pulmão, minha garganta deveria ser operada imediatamente por estar com sérios sítios e com tumores. Felizmente o Dr. Mauro César os extirpou (linfonodos, tonsila e carótida – os quais não tinham sido denunciados nas tomografias feitas).

O pulmão ficou para a segunda fase com a suspeita de não ser operável, devido à proximidade com o mediastino.

Apoio Familiar
Sou o mais velho de uma grande família festeira e unida, capitaneada, na falta de meu pai, por uma mãe com 85 anos.  Para todos, e pior para minha mãe, a notícia teve o impacto de centenas de exorcetes caídos do céu em suas cabeças e vidas. Apoio? Seria injusto assim dizer. Tive a solene e a mais profunda comoção, cargas de amor e força recebidas tal como diz “Itaipus afetivas” trabalhando noite e dia em 440 volts.

As Amizades
Meus amigos são poucos e de muitos anos, pacientemente e lealmente ajuntados. Costumo dizer que eles são uma confraria religiosa, solene e pilantra nas grandes proporções de cumplicidade que os amigos devem ter. Este enorme inventário de união, lutas, vitórias, crises, esbórnias e farras sempre foram os fundamentos da minha vida e, nesta rebordosa, vi que realmente o ditado popular de “pau para qualquer obra” pode ser fielmente dito destes heróis.

A COI
Meu cirurgião, que não me operou, contraditório, não? me encaminhou à COI – especificamente para o Dr. Mauro Zukin, antes mesmo de toda a “colônia de cupins” ser determinada e mapeada.

Eu esperava chegar em uma clínica com um monte de pessoas com pele cinza, aspectos sombrios e olhares perdidos. Não sei,  esta doença vinha teimosamente na vida de nós dos anos 40/50 como “àquela doença”, parecia que se mencionássemos o nome a gente morreria dela.

O atendimento, as instalações, os profissionais, todos – do cientista ao simples servente, são de um apostolado de ações e cuidados que comecei a me ver como um forte que somente tinha uma doença complicada, tratável e que dependia de mim me acertar com a turma da COI, de onde recebi todo o tempo a melhor e maior de todas as ajudas para tentar vencer a doença ou teimosamente combatê-la, acreditando ser mais forte que ela.

Sua Equipe Médica
Meu ponto de apoio principal é o “Czar” Dr. Mauro Zukin, sem contar que sou assistido ainda por todos os médicos do início do tratamento. É nele que centro minha vida e minhas lutas porque tenho dele e nele a âncora que me prende ao porto seguro de ter o maior empenho, dedicação, otimismo, embora impaciente, confesso. Ele me indicou para os melhores tratamentos de radio e quimioterapias, me socorreu não só com seu saber mas adicionalmente com sua fé na ciência, premiava-me com seu sorriso, econômico e enigmático às vezes, mas lúcido pela certeza de que posso contar com ele, sempre!

A superação
Sou do signo de Câncer, tenho sete sítios de Câncer (três  ainda sendo tratados), e para açambarcar e ter o termo completo só faltaria morar no Trópico de Câncer.

Digo em tom de ironia e explico:  sou de uma geração de pessoas que lutaram para chegar onde chegamos. Mudamos um pouco o mundo neste mais de meio século, com coragem e determinação. Por que não ajudar com esta complicada fase,  mostrando a todos que a doença é uma doença sua e que deve partir de você a consciência, o denodo, coragem, garra e crença de superá-la até onde der? Sem perder de vista que somos meros “fiéis depositários”  de uma vida que Deus nos emprestou. Então, dignidade e fé acima de tudo!

Nesta premissa busco e tenho forças, com a ajuda de muitos-todos para tentar ver quem é mais nesta briga que já dura quase três anos. Tenho visto que é só lutar e ser disciplinado que as forças aparecem.

Compartilhe: