CENTRAL DE ATENDIMENTO
Conheça as unidades

9275

Marcos Paulo

HDS_MarcosPaulo_v2

Quando eu tinha 28 anos de idade, começou a minha história com relação ao câncer. A doença foi descoberta no dia 6/10/2004, por ocasião de uma consulta com o urologista, que constatou um tumor no meu testículo. O médico não comentou nada durante a consulta; apenas informou que aquilo não poderia ficar no meu corpo e que eu deveria me submeter a uma cirurgia no dia 8, ou seja, dois dias depois.

Lembro-me bem desse dia. Saí de lá chorando muito, pois tinha uma vida bem agitada e estressada e não poderia parar para nada. Mesmo assim, fui à noite para a faculdade, onde cursava Administração. No dia seguinte, procurei outro médico para ter mais alguma opinião e também obtive a mesma resposta, isto é, que teria de passar pela cirurgia o mais rápido possível. Assim, contra a minha vontade, fui operado na data sugerida.

Dai para a frente, começa a minha relação com o COI e com o Dr. Mauro Zukin, que, na primeira consulta, me deu a opção de mensalmente ir fazendo exames para saber se estava tudo bem ou de fazer as sessões de quimioterapia e finalizar logo essa questão. Não pensei duas vezes. Preferi a quimioterapia, mesmo sabendo que o meu cabelo cairia. Eu desejava ficar livre dessa situação e enfrentar da melhor forma possível o problema. Foram 13 sessões, nas quais fui muito bem tratado pela equipe do COI. Na época, me lembro de que a minha vida não foi afetada – continuei trabalhando, estudando e tendo a minha rotina.

Depois do período da quimioterapia, foram várias consultas de acompanhamento com o Dr. Mauro Zukin, até o dia mais esperado. Esse aconteceu no fim de 2009, quando tive alta. Recordo-me que saí do consultório dele com a sensação de um dever cumprido em minha vida e que mais uma etapa foi superada. Eu me senti ainda mais seguro daquilo que eu quero para mim e para a minha família. Em nenhum momento, me deixei abater por essa questão, já que tenho muito claro em minha vida sobre aquilo que eu quero e o que posso superar. A melhor cura está dentro de nós mesmos e podemos superá-la com muito pensamento positivo e nos apegando a alguma coisa que nos faça bem (a minha relação foi com DEUS; agradeço a Ele, cada dia que me deixa viver). Ter amigos e família ao nosso lado, passando-nos muita energia positiva, é imprescindível.

O maior presente que DEUS me deu foi ter construído a minha família – o casamento em 2012 com a Michelle e o nascimento do meu filho, Marcos Henrique, no dia 20/12/2013. Ele nasceu com muita saúde.

Para mim, esta história faz parte do passado. Eu a uso para superar mais barreiras que vão acontecendo como forma de motivação, visto que, se fui vitorioso em superar um câncer, posso passar tranquilamente por qualquer dificuldade.

Assim, vou seguindo a minha vida, curtindo a minha família e sendo muito feliz.

Compartilhe: