CENTRAL DE ATENDIMENTO
Conheça as unidades

Início > Jornal > Março/Abril de 2014 * Ano I * Nº 2
8587

Março/Abril de 2014 * Ano I * Nº 2

Jornal-Boas-Novas_Março-2014_FINAL

Índice:

Nada é mais importante que o bem-estar de nosso paciente
Instituto COI: por uma vida cada vez melhor
Pelo fim do HPV
Dia Mundial da Saúde – 7 de abril
“Eu acredito na vitória, comigo não tem derrota”

Nada é mais importante que o bem-estar de nosso paciente

Bruno Haddad

Além do crescimento relevante apresentado nos dois últimos anos, o Vice-presidente Executivo, CFO do Americas Oncologia, Bruno Haddad, prevê crescimento de 60% no número de clientes atendidos (2014-2015), reforçado pelas duas novas unidades, Botafogo e Niterói, com expectativa de inauguração para este primeiro semestre, bem como a recente incorporação da Clínica Cetho, consolidando a já renomada referência do Grupo no cuidado e tratamento do paciente com câncer.

A expansão reforça o crescimento de uma equipe multidisciplinar, com foco em oncologia e hematologia de excelência no estado e corrobora com a máxima do Vice-presidente Executivo: “Quanto mais focamos em nosso paciente, investimos em gente, tecnologia e educação/pesquisa, mais o grupo colhe os frutos de todo esse trabalho, tornando-se uma instituição cada vez mais forte e de referência. Buscar o melhor para as pessoas que cuidamos está no DNA de nossos colaboradores e de todo o grupo gestor.”

Para Bruno, o Americas Oncologia possui diferenciais relevantes em sua missão e seus valores e faz questão de afirma -los de forma contundente: “Buscamos aplicar efetivamente em nosso dia a dia os valores do Grupo. Temos preocupação em servir de exemplo em nossas condutas, além do comprometimento relevante – Dr. Nelson talvez seja a melhor tradução disso – em cumprir essencialmente o que prometemos como instituição. Nossos valores e modelo de conduta são constantemente reconhecidos nos ambientes em que nos inserimos e isso nos dá um orgulho imenso em fazer parte”.

Outros grandes diferenciais apontados pelo VP Executivo são as tecnologias aplicadas às soluções de tratamento e o acompanhamento integral oferecido: “Vamos além da quimioterapia e radioterapia, oferecendo acompanhamento multidisciplinar como nutricional, odontológico, fonoaudiólogo, psicológico, entre outros, além de investimentos relevantes em treinamento e desenvolvimento dos nossos profissionais. Temos preocupação constante na capacitação de todos e com o bem-estar de quem trabalha conosco. Investimos muito em programas de qualidade de vida e melhoria de rotinas, com foco na saúde e acompanhamento dos nossos colaboradores, que são a essência e alma do Grupo”.

Toda essa filosofia se multiplicará pelo Rio de Janeiro, via a abertura das novas unidades e por meio da incorporação da Clínica Cetho. As duas novas unidades irão triplicar a capacidade de atendimento de rádio e aumentar em 50% a capacidade dos boxes infusionais. Além disso, elas aumentarão em 30% o quadro de profissionais da instituição. Antes mesmo de serem inauguradas, grande parte das suas equipes funcionais (físicos, médicos, técnicos em radioterapia e enfermeiras) serão contratadas com o objetivo de receber treinamento intensivo na Unidade Barra da Tijuca, atual sede do Americas Oncologia.

Bruno também enfatiza o fato de os investimentos efetuados em todas as áreas reforçarem na condução e realização de bons negócios, com excelentes parceiros. É o caso dos contratos negociados recentemente entre a FARMACOI e empresas como Bradesco, Fundação de Assistência e Previdência Social do BNDES (Fapes) e Hospital São João Batista, em Macaé, além de outros contratos em negociação. “A FARMACOI, referência no país em manipulação de medicamentos oncológicos, está reforçando sua atuação na proposta de venda direta de medicamentos orais para pacientes e operadoras/seguradoras de saúde, direcionando adequadamente as oportunidades que surgem.

Esse é um mercado difícil devido aos grandes players existentes e às constantes alterações regulatórias, mas com base nos diferenciais oferecidos, como a atenção farmacêutica, fracionamento de medicamentos e foco adequado no acompanhamento dos pacientes em tratamento, além de criar oportunidades de redução efetiva de custo para os contratantes, certamente teremos sucesso.

Esperamos reforçar em breve o time comercial da FARMACOI com o objetivo de triplicar nosso volume em 2014. Fabiano Pombo, nosso Diretor de Farmácia, vem conduzindo com excelência esse processo.”

Na busca por um modelo cada vez mais completo no que tange ao tratamento e cuidado dos seus pacientes, o Americas Oncologia também está avaliando possíveis parcerias com laboratórios e serviços de diagnóstico. Como reforça Bruno: – “Em conjunto com Dr. Nelson, nosso VP de Expansão, Claudio Marote, vem buscando alternativas que viabilizem estruturarmos um modelo ainda mais completo no cuidado e tratamento de nossos pacientes. Isso pode acontecer via estrutura hospitalar ou mesmo viabilizando parcerias que nos complementem. Em breve teremos novidades a respeito… e serão boas!”

Por fim, o VP Executivo reforça o suporte e condução por parte do Axxon, grupo de Private Equity referência no mercado nacional, investidor que desde 2011 juntou-se ao Americas Oncologia com o objetivo de reforçar a condução e gestão estratégica do Grupo: “A parceria estabelecida entre o Americas Oncologia e Grupo Axxon trouxe benefícios relevantes para todos.

Crescemos de forma relevante e sustentada ao mesmo tempo em que fortalecemos ainda mais nossos valores, percepção de qualidade e referência por parte de todo o mercado. Com fundamentos plenos e liderado pelo Dr. Nelson, a visão futura de toda a Oncologia e os caminhos a serem trilhados pelo Americas Oncologia são perfeitamente corroborados pelo Axxon, que os incentiva de forma contundente.
Há projetos futuros relevantes e não há dúvidas de que os resultados à longo prazo serão ainda melhores. Temos um perfil atual de gestão madura, comprometida e sempre em busca de melhoria contínua em todos os aspectos.”

Instituto COI: por uma vida cada vez melhor

Com o objetivo de melhorar a vida das pessoas, desenvolvendo programas de pesquisa, educação e gestão no campo da oncologia, o Americas Oncologia criou em 2008 o Instituto COI, que tem como foco participar ativamente no processo de inovação em saúde e gerar conhecimento na área, fazendo com que o cuidado dos pacientes com câncer no Brasil e no mundo seja cada vez melhor.

“Nossos valores são excelência, humanismo e inovação para alcançarmos um mundo livre de câncer, com revisão do estilo de vida, implementação de medidas de prevenção e detecção precoce e um tratamento 100% eficaz contra a doença”, informa Juliane Musacchio, Diretora Administrativa e Operacional do Instituto COI e Gerente de Hematologia do Americas Oncologia.

No escopo do Instituto COI está o desenvolvimento de projetos de responsabilidade social, como pesquisas de combate ao câncer e campanhas para prevenção e diagnóstico precoce. A instituição oferece a possibilidade de geração de informação para a tomada de decisões no campo da oncologia e promove debates e encontros entre os especialistas da área para a troca de experiências.

“A transformação dos sistemas de saúde na direção de um modelo que coloque os pacientes como o centro do sistema e que leve ao uso eficiente de recursos humanos e financeiros depende do mapeamento e melhora contínua dos desfechos clínicos. A prioridade dessa mensuração é a principal ferramenta para transformar o atual sistema de saúde e direcioná-lo para uma nova e ideal realidade. O Instituto COI é pioneiro no país em fazer estudos clínicos próprios, que avaliam não só o resultado do paciente, mas também a qualidade de vida”, enfatiza a Diretora.

Complementando, Juliane informa que, atualmente, o principal foco dos médicos envolvidos com o tratamento oncológico é oferecer um caminho cada vez mais eficaz e menos tóxico, o que leva aos projetos da chamada Medicina Personalizada. Para a Diretora, a busca por um tratamento individualizado norteia as principais instituições mundiais dedicadas ao tratamento de pacientes com câncer: “Essa linha de pesquisa combina diferentes áreas da medicina, como Oncologia, Hematologia, Genética, Patologia, Biologia Molecular, entre outras. Esses projetos vão colocar a nossa instituição, o Rio de Janeiro e o Brasil na vanguarda da liderança da oncologia”.

Atualmente, o maior patrocinador do Instituto COI é o próprio Americas Oncologia, mas a entidade, em 2012, foi qualificada pelo Ministério da Justiça do Brasil como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP): “As OSCIPs são o reconhecimento oficial e legal mais próximo do que, modernamente, se entende por ONG, especialmente porque são marcadas por uma extrema transparência administrativa. O título facilita a realização de convênios em todos os níveis de governo e órgãos públicos, além de permitir que doações realizadas por empresas privadas sejam abatidas do imposto de renda devido”, informa a Diretora.

Tendo a educação como um braço forte, o Instituto COI oferece cursos de extensão gratuitos em Hematologia, Oncologia, Pesquisa Clínica, Farmacologia e Enfermagem, Simpósios dos Núcleos de Oncologia Torácica e Gastrointestinal, de Nutrição Oncológica e Gestão em Qualidade entre outros. Todos os eventos são disponibilizados via web, na sala de aula virtual no site do Instituto COI: www.institutocoi.org.

A instituição faz parte da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE), iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia, por meio da Rede Nacional de Pesquisa (RNP) para cooperação técnica entre mais de 300 instituições no Brasil e no exterior. A Diretora lembra ainda que foi a primeira instituição privada no Rio de Janeiro a participar da RUTE. Em 2014, continuará oferecendo o programa de estágio supervisionado nas áreas de Hematologia e Oncologia, com duração de seis meses, para os quais serão oferecidas oito vagas, sendo quatro para cada especialidade.

Recentemente, foi feita uma estruturação no Centro de Pesquisa do Instituto COI com a contratação de profissionais com larga experiência em estudos prospectivos de investigação biomédica ou comportamentais (clinical trials) e institucionais em câncer. Para Juliane Musacchio, tais contratações significam que o Instituto COI está em franco crescimento, investindo sempre no seu objetivo maior, que é o de melhorar a vida das pessoas.

Pelo fim do HPV

Este ano, no mês que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Ministério da Saúde pretende vacinar em escolas e postos de saúde do país cerca de 5 milhões e 200 mil garotas, de 11 a 13 anos, contra o vírus HPV (Vírus do Papiloma Humano), um dos principais responsáveis pelo câncer de colo de útero, o terceiro tipo de câncer mais frequente entre as mulheres.

Para Celso Rotstein, oncologista clínico do Americas Oncologia, o que se espera com essa ação é um impacto muito significativo na incidência de tumores colo de útero nas próximas décadas. “Essa doença, previsível em função das características da inflamação pelo HPV, é muito difícil de ser tratada quando detectada em fase avançada, por isso a prevenção é tão importante, por meio de exames clássicos como o Papanicolau. Vale observar que o vírus tem um tempo de latência até se manifestar em lesões precursoras e em tumores evasivos que gira em torno de duas décadas, além disso, pode-se contrair o vírus e não se ter absolutamente nada”, explica Celso.

Para a prevenção do câncer de colo de útero é necessário um trabalho contínuo de educação: “Alguns países conseguiram montar esquemas adequados e amplos de detecção precoce das lesões precursoras, como por exemplo, o Canadá e a Inglaterra. Isso levou em torno de 15 a 20 anos”, informa o médico.

Celso Rotstein é coordenador do Grupo de Tumor Ginecológico do COI, onde são debatidas as informações recebidas por meio de trabalhos publicados e apresentadas as novidades defendidas em congressos importantes, tanto europeus quanto norte americanos: “No grupo, também colocamos em pauta para troca de informações os casos mais complexos que passam pela instituição e estabelecemos os processos para o tratamento dos tumores ginecológicos. Outra ação importante é a troca de ideias com outros grupos, interna e externamente, como o de cirurgiões, de imagens e de radioterapia. À medida que as coisas vão acontecendo, a gente sai em busca de novos e melhores caminhos para a manutenção da saúde dos nossos pacientes”.

Dia Mundial da Saúde – 7 de abril

Por Dr. Ronaldo Silva, Sanitarista do Americas Oncologia

O Dia Mundial da Saúde é celebrado no dia 7 de abril para marcar a data de aniversário de fundação da Organização Mundial da Saúde (OMS). A cada ano, um tema é selecionado, destacando-se uma área prioritária na saúde pública. A data e as campanhas realizadas servem de oportunidade para que cada indivíduo, em qualquer lugar do mundo, envolva-se em atividades que melhorem a saúde.

O tema da campanha do Dia Mundial da Saúde 2014 é sobre doenças veiculadas por vetores (em geral, insetos). Entre as várias doenças veiculadas por vetores, encontra-se a dengue, a febre amarela, a malária, a doença de Chagas.

Aproveitando essa data, gostaríamos de ressaltar que, nos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil, as doenças veiculadas por vetores diminuíram em magnitude nos últimos 50 anos, sendo substituídas pelas doenças crônicas e pelos agravos associados à violência, como acidentes e homicídios. Entre as doenças crônicas, destaca-se o câncer. No Brasil, segundo estimativas do
INCA, são esperados 580 mil casos novos de câncer para 2014. Os cânceres mais incidentes na população brasileira, à exceção do câncer de pele não melanoma, são os cânceres de pulmão, mama, colo do útero, próstata e colorretal. Desses cânceres, excluindo o câncer de próstata, todos podem ter sua incidência diminuída por medidas de controle de fatores de risco, como excesso de peso, fumo, sedentarismo, alimentação inadequada e exposição ao vírus do HPV.

Além disso, os cânceres de mama, colo do útero e colorretal podem ser passíveis de detecção precoce por meio do rastreamento com impacto importante na redução da mortalidade. Estilo de vida saudável é fundamental para diminuir o risco de câncer. O consumo de tabaco é responsável por cerca de 1/4 de todas as mortes por câncer e 3/4 das mortes por câncer de pulmão. O consumo de álcool está associado aos cânceres de boca, faringe, laringe, esôfago, mama, entre outros. Não há dose segura de álcool; qualquer dose aumenta o risco de câncer. Excesso de peso (sobrepeso e obesidade) é um fator de risco para muitos tipos de câncer, em especial, câncer de mama, endométrio, intestino grosso e pâncreas. Nos países desenvolvidos, e também no Brasil, 50% ou mais da população adulta apresenta excesso de peso.

Existem diferentes modos de diminuir a exposição aos fatores de risco do câncer. Algumas delas implicam mudanças comportamentais de cada indivíduo sob risco, como, por exemplo, parar de fumar, não ingerir bebida alcoólica, manter o peso ideal, fazer exercícios físicos regularmente, entre outras. Entretanto, é preciso que empresas e o poder público também apoiem iniciativas que contribuam para diminuir a exposição aos fatores de risco acima mencionados.

Não parece haver dúvida de que ações além do campo da saúde podem contribuir, e muito, para reduzir os principais fatores de risco para o câncer. Políticas públicas que favoreçam uma alimentação saudável, ambientes menos poluídos, áreas apropriadas para o lazer e prática de atividades físicas, entre outras, são fundamentais para diminuir os fatores de risco para o câncer. Além disso, ações no
campo da educação em saúde, comunicação e informação podem e devem ser priorizadas, com o objetivo de ampliar o conhecimento e a adoção de hábitos de vida saudáveis por diferentes grupos da população.

Feliz Dia Mundial da Saúde!

“Eu acredito na vitória, comigo não tem derrota”

Neguinho da Beija-Flor

Luiz Antônio Feliciano Marcondes, mais conhecido como Neguinho da Beija-Flor, é sambista, cantor e intérprete oficial do Grêmio Recreativo Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis. Após vencer um câncer no intestino, diagnosticado em 2008, ele só quer saber de cantar. O que faz ele muito bem!

Atualmente não é mais a quimioterapia que está em sua veia, pois a música continua mais forte do que nunca e, para agradecer a Deus pela recuperação, após seu tratamento no Americas Oncologia, gravou uma canção com o Padre Reginaldo Mansotti (leia box abaixo).
Foi sua esposa Elaine Reis quem ajudou Neguinho a descobrir que estava com câncer, depois que ele informou a ela que estava com dificuldades de ir ao banheiro e apresentava sangramento. “Eu achava que estava com um princípio de hemorroidas, alguma veia que talvez tivesse estourado. Quando contei, ela me alertou afirmando: ‘Isso não é normal’.”

Após os exames, foram diagnosticados dois tumores no intestino, um de cinco centímetros e outro mais acima do tamanho de um grão de milho. “Quando fiquei sabendo do resultado, fiquei três dias chorando, mas no quarto dia disse: câncer tem jeito. Se não tem, vai ter que ter. E fui à luta”, ressalta Neguinho, orgulhoso de si mesmo.

Para viabilizar o tratamento, por sugestão dos médicos do Americas Oncologia, o cantor colocou um cateter para receber as 12 sessões de quimioterapia. “Eu sou medroso e não gosto que fiquem me espetando, então decidi colocar o cateter que facilita muito o tratamento e não maltrata a veia.”

Em função da divulgação do seu câncer na mídia, Neguinho da Beija-Flor informa que recebeu muito apoio. “De quem gostava e até de quem não gostava de mim.” Por outro lado, ele fala vaidoso que pôde alertar muita gente sobre o câncer de intestino: “Ando por todo esse Brasil e pelo mundo afora e recebi vários depoimentos de pessoas que assistiram minha entrevista onde eu falei sobre o câncer.

Algumas perceberam que também tinham um sangramento e conseguiram diagnosticar e tratar a doença a tempo”, conta emocionado.
Outro aspecto positivo da divulgação foi o número de brasileiros que oraram pela sua recuperação. “Até as pessoas que são fãs de outras escolas de samba disseram que apesar de me acharem um chato com minha Beija-Flor e com o meu Flamengo, estavam orando por mim. Até os vascaínos e mangueirenses ficaram solidários e orando por mim. Isso foi o mais legal, o apoio de todos para a minha recuperação”, finaliza o cantor.

Cantar para cantar cada vez mais 

Abertura da música Obrigado,
Jesus, de Padre Reginaldo Mansotti,
cantada com a participação
de Neguinho da Beija-Flor por
ocasião do sucesso da sua luta
contra o câncer.

“Obrigado, Jesus
por mais um dia de alegria
Obrigado, Jesus
por mais um dia de vitória
Obrigado, Jesus
por conceder sabedoria
E de mudar a minha história”.

Expediente

Unidades:
Barra da Tijuca MDX Barra Medical Center
Botafogo Torre do Rio Sul
Nova Iguaçu Ed. São Paulo
Botafogo Rua da Passagem, 29 (em breve)
Niterói – Icaraí (em breve)
Central de atendimento: 3385-2000

Boas Novas

Informativo do Americas Oncologia publicação interna bimestral

Coordenação Editorial
Oncologia Clínica
Dr.ª Monica Schaum
Gerência de Marketing
Viviane Serretti Barbosa

Projeto Gráfico e Diagramação
Tutti Design

Jornalista Responsável

Arlete Gadelha (MTb 13.875/RJ)

Tiragem:
4.000

Contato/Sugestões

marketing@americasoncologia.com.br

Compartilhe: